Av. Eduardo Sá, 50, Eusébio – CE – 61760-000 | 85 3260-1258

Projeto cria Geladeiroteca: leitura nas praças

  • 10 de janeiro de 2019

A vereadora Neila Martins de Castro Sá apresentou o Projeto de lei 082/2018 dispondo sobre a criação e implementação do projeto “Geladeiroteca: leitura nas praças”, aprovado pelo Legislativo Municipal. O projeto consiste na colocação e geladeiras, sem uso, nas praças públicas, que reformadas e padronizadas irão servir como minibibliotecas à disposição da população.

A Prefeitura poderá fazer campanhas para coletar as geladeiras sem uso e adaptá-las para o concretizar o objetivo do projeto. Conforme a proposta, os livros disponibilizados serão preferencialmente de romance, históricos, biografias, assuntos gerais sem conotação religiosa, histórias em quadrinhos, histórias infantis e para adolescentes. Os livros disponibilizados ao público poderão ser levados para casa e devolvidos após sua leitura.

A vereadora indica, ainda, que não haverá controle de saída de livros, sendo as geladeiras cadastradas e visitadas periodicamente pelos responsáveis do projeto. “O objetivo dessa proposta é incentivar o exercício da leitura habitual e espontânea da população, tendo um foco maior no público infanto-juvenil. Considero a leitura como principal fonte de conhecimento e desenvolvimento intelectual deve ser tratada com a devida importância que merece”, frisa.

Segundo a parlamentar, sendo Eusébio, uma referência em Educação para o Estado e País, acredita que a “geladeiroteca” será uma fonte de conhecimento democrático, pois ficará acessível a toda população. Além disso, oferecerá aos usuários da praça pública um outro tipo de lazer só encontrado nas páginas fantasiosas de bons livros. “A geladeira será de uso público e não haverá nenhum tipo de fiscalização ou controle sobre o empréstimo de livro justamente tom o intuito de diminuir qualquer barreira entre o leitor e o livro, incentivando à leitura espontânea e o compartilhamento de livros entre a população do município, pois, da mesma forma que os munícipes poderão pegar os livros, também poderão deixá-los à disposição para os próximos leitores,” conclui.